Matéria do Jornal Diário da Região por Isabela Menezes. Confira matéria completa em:
https://www.diariodaregiao.com.br/_conteudo/2018/01/cidades/saude/1093593-de-olho-nos-planos-de-saude.html

Quem está à procura de um ou pensa em mudar de operadora deve ficar atento às notas

Está pensando em contratar um plano de saúde ou está insatisfeito com o que tem e quer mudar? Então fique atento à avaliação divulgada pela Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS). O relatório de “Qualificação das Operadoras” trouxe notas de 940 operadoras, cinco delas com sede em Rio Preto. Os dados têm relação com os atendimentos e reclamações do ano de 2016.

O Índice de Desempenho da Saúde Suplementar (IDSS), com notas individuais de zero a um, foi obtido com quesitos como atenção à gestão, garantia de acesso, satisfação dos usuários, situação financeira das operadoras e estrutura oferecida. Segundo a lista de qualificações, quatro operadoras de Rio Preto melhoraram a pontuação no índice de desempenho, e uma apresentou pontuação menor em relação a vigência anterior.

As operadoras são divididas em autogestão, cooperativa médica, filantropia, medicina em grupo e seguradora especializada em saúde – ainda há a divisão por tamanho de conveniados.

De acordo com a ANS, a ideia do Índice não é fazer um ranking das melhores operadoras do País ou de determinada região. O relatório é feito para que o beneficiário que está em busca de um plano de saúde possa monitorar o desempenho de cada operadora.

Entre as operadoras de Rio Preto, o AustaClínicas apresentou fez 0,8326 pontos, a Unimed Rio Preto 0,8325, a Santa Casa 0,8246, o BenSaúde 0,8098 e o HB Saúde 0,6902.

Para o superintendente da Cremesp, Pedro Teixeira, o desempenho das operadoras da cidade é bom e se dá pelo fato de Rio Preto ser um dos polos de medicina do Estado. “As operadoras têm uma boa avaliação, principalmente se comparado a outras e regiões e estados.”

O gerente do plano AustaClínicas, Rafael Chanes, que atualmente tem 64 mil usuários, contou que a operadora focou nos últimos quatro anos em melhorar a estrutura de atendimento para os beneficiários. “Temos investido não só na estrutura física, mas principalmente na qualificação dos nossos profissionais, pra trazermos sempre a melhor qualidade de serviços para os clientes. A melhora na pontuação da ANS foi o resultado de anos trabalho,” declarou o gerente – a operadora subiu de 0,6491, em 2015, para 0,8326.

De acordo com o presidente da Unimed Rio Preto, Miguel Zerati Filho, a operadora teve um dos melhores desempenhos, resultado de ações internas para garantir ainda mais a excelência dos serviços prestados e satisfação dos beneficiários. “Ter um dos melhores índices entre as operadoras de grande porte de toda região revela o compromisso da Unimed Rio Preto com cada cliente. Apenas 25% das operadoras estão acima de 0,80.”

O BenSaúde destacou que subiu de nota em relação à avaliação anterior e chegou à nota máxima em alguns quesitos. ” A nota média geral foi prejudicada devido a critérios não qualitativos da ANS que valoriza alguns itens que não levam em consideração o perfil e o tamanho da operadora. Mesmo assim, nossa nota ficou no verde (de 0,80 a 1,00), considerada alta,” informou nota da assessoria de imprensa. Santa Casa e HB Saúde não responderam ao questionamento da reportagem.

Queda

Rio Preto registrou a queda de 2.835 usuários de plano de saúde na comparação de dezembro de 2016 com o mesmo mês de 2017. No passado, o número de conveniados na cidade era de 200.293 contra 203.128 no ano anterior, segundo a ANS. Em contrapartida, aumentou o número de conveniados a planos odontológicos. Em 2016, eram 43.317 pessoas assistidas, contra 48.324 em 2017. 

Índices levados em conta para a avaliação: 

IDQS – Qualidade em atenção à saúde: o desempenho do conjunto de ações em saúde que contribuíram para o atendimento das necessidades de saúde dos beneficiários, com ênfase nas ações de promoção, prevenção e assistência à saúde prestada.

IDGA – Garantia de acesso: condições relacionadas à rede assistencial que permitem a garantia de acesso, abrangendo a oferta da rede de prestadores.

IDGM – Sustentabilidade no mercado: monitoramento da sustentabilidade da operadora, levando em conta o equilíbrio econômico-financeiro, a satisfação do beneficiário e compromissos com prestadores.

IDGR – Gestão de processos e regulação: se refere ao cumprimento das obrigações técnicas e cadastrais das operadoras junto à ANS.  

Novas regras entram em vigor

As novas regras de contratação de plano de saúde coletivo empresarial por empresário individual entraram em vigor nesta segunda-feira, 29. Segundo a Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), a regra deve ajudar a coibir abusos relacionados a esse tipo de contrato, como por exemplo a criação de empresas exclusivamente para esse fim. A Agência lançou uma cartilha para auxiliar beneficiários e novos contratantes dessa modalidade de plano de saúde (www.ans.gov.br/images/stories/Cartilha_MEI.pdf).

De acordo com a nova norma, para ter direito a esse tipo de plano, o empresário individual deverá apresentar documentos que confirmem sua inscrição nos órgãos competentes e sua regularidade cadastral na Receita Federal pelo período mínimo de seis meses. A manutenção do contrato também depende da continuidade da inscrição nos órgãos competentes e da situação regular na Receita Federal. As operadoras e as administradoras de planos de saúde deverão pedir esses documentos no momento da contratação do plano e no aniversário do contrato, anualmente.

A ANS explicou que a operadora ou administradora de benefícios deve informar ao contratante as principais características do plano que está sendo contratado. (Agência Brasil)

diario-da-regiao-materia-plano-de-saudes-2018